Deadpool


Um mercenário que não faz parte da gangue do Stallone, mas supera a força de qualquer um deles. Um anti-herói que busca vingança e tem culpa no cartório tanto quanto seus inimigos. Mas que, acima de tudo, não deixa de se divertir e fazer ótimas piadas. Um mascarado apaixonado por uma stripper e, talvez, até um futuro ator de Standup comedy (Fábio Porchat que se cuide). Este é Deadpool. Uma mistura fantástica de Ferris Buller com um super lutador ninja e, aparentemente, a cara do ator Ryan Reynolds, após a morte. Seu poder? o desejado fator de cura! Suas habilidades, durante uma luta, não são nada perto da fanfarronice que ele faz ao quebrar 'a quarta parede' ( espaço imaginário, no teatro, situado entre o publico e o palco) e falar diretamente com o espectador - tática também usada pelo personagem de Kevin Spacey, Francis Underwood, na série da Netflix, House of Cards.

O longa tem direção do animador e diretor criativo, Tim Miller, e além de Reynolds, no papel principal, conta com Morena Baccarin, Karan Soni, Michael Benyaer, Stefan Kapicic, Brianna Hildebrand, T.J. Miller e Ed Skrein, no elenco.
Sinopse
Ex-militar e mercenário, Wade Wilson (Ryan Reynolds) é diagnosticado com câncer em estado terminal, porém encontra uma possibilidade de cura em uma sinistra experiência científica. Recuperado, com poderes e um incomum senso de humor, ele torna-se Deadpool e busca vingança contra o homem que destruiu sua vida.
Fruto do projeto Arma X, o mercenário (Reynolds) com trejeitos engraçadíssimos, tem um humor ácido fascinante, tanto ou até mais que sua trágica jornada. O tagarela é quem nos conta cada passo e pedaço da trama. Desde ações futuras e presentes a seu passado conturbado que inclui a relação com a namorada Vanessa (Baccarin), seu envolvimento com os X-Men, sua vida cotidiana - onde vive com uma senhora cega - e também as idas ao bar do amigo Weasel (T.J. Miller). O local é frequentado por sujeitos tão estranhos quanto ele e rola até um ''bolão da morte'' (expressão que dá nome ao personagem) para ver quem perde e ganha nas lutas dos frequentadores.


Extremamente bem escrito e de bom gosto, o roteiro desemboca o filme num mar de referências de outras produções e faz uma auto avaliação pra lá de zoada de si mesmo. Temos a participação de dois X-Men, Colossus ( Kapicic) e  Míssil Adolescente Supersônico ( Hildebrand), ou como o próprio Pool fala, ''a participação do que deu para custear''. O vilão, conhecido como Ajax, é vivido pelo ator inglês Ed Skrein e tem uma força mediana no longa, mas junto a seus comparsas, traz muita ação as cenas. A namorada de Pool, interpretada pela atriz brasileira Morena Baccarin (Homeland), dá beleza e charme a vida de Wade, além de fazer comemorações inusitadas de aniversário de namoro e competições sinistras para contemplar qual dos dois já viveu o maior número de desgraças. Todavia, em certo ponto do enredo, os dois se distanciam por causa dos conflitos criados pela nova vida de Wade como Deadpool.

Há inúmeras semelhanças com o quadrinho, mas há também coisas que não são explicadas e ficam subentendidas. Os atos e conflitos do filme são balanceados, mas a violência é predominante, bem como algumas cenas de sexo entre pool e a namorada. O ritmo do filme está perfeito e a direção consegue usufruir bem dos elementos exagerados das HQs. Além disso, o elenco tem presença e química e o bate bola de Reynolds com todos é sempre bem colocado.

Wade (Ryan Reynolds) e Vanessa (Morena Baccarin)
Espere ver em Deadpool muitas cenas de ação e muito mais que isso, muita comédia. Vai sim ter romance, mas o que deve ganhar o coração do público é mesmo o tom arrojado e malandro do personagem. A cena pós crédito é tão boa quanto o filme inteiro e os cinéfilos devem pirar o cabeção bonito. \o/ (I did).

Aliás, já na cena inicial é capaz que isto aconteça. Esse footage preview de alguns anos atrás, tem um pedaço dela, pois foi o teste feito para os produtores darem carta branca para o inicio da pré-produção do longa. Este que já tem chances enormes de ter continuação.

Missil Adolescente Supersônico (Hildebrand), Deadpool (Reynolds) e Colossus (Kapici)

















A trilha sonora contagiante fica por conta de Junkie XL e a edição maneira é assinada por Julian Clarke. O longa foi filmado em 48 dias e tem cenas bem pesadas, e, por isto, ganhou classificação 16 anos, por aqui.

Porém, seu sucesso é garantido e ele deve agradar a gregos, troianos e goianos!

PONTO ALTO DO FILME: os trejeitos e as poses pansexuais do personagem principal. Algo notado até nos posters e o CAMEO MARAVILHOSO de STAN LEE como DJ.
Trailer

Ficha Técnica: Deadpool, 2016. Direção: Tim Miller. Roteiro: Rhett Reese e Paul Wernick, baseados no personagem criado por Rob Liefeld e Fabian Nicieza. Elenco: Ryan Reynolds, Morena Baccarin, Karan Soni, Michael Benyaer, Stefan Kapicic, Brianna Hildebrand, T.J. Miller e Ed Skrein. Edição: Julian Clarke. Trilha Sonora Original: Junkie XL. Gênero: Ação, aventura, comédia. Nacionalidade: Eua, Canadá. Distribuidor: Fox Filmes. Duração: 0149min.
Divertidíssimo e cheio de referências, Deadpool é uma das melhores opções desta quinta-feira!

AvaliaçãoQuatro mãos cortadas e alguém partido ao meio (4,5/5 - Ótimo).

11 de Fevereiro, nos Cinemas!
Não recomendado para menores de 16 anos

See Ya!
B-

Escrito por Bárbara Kruczyński

    Comentários Blogger
    Comentários Facebook

0 comments:

Postar um comentário

Pode falar. Nós retribuímos os comentários e respondemos qualquer dúvida. :)