Jason Bourne


Aí eu assisti o novo filme do Jason Bourne e gostei... mas tem ressalvas, hein. Então preste atenção. Estreia nesta quinta-feira, 28, nos cinemas de todo país “Jason Bourne” (homônimo em português), filme de resgate da franquia iniciada em 2002.

Após dez anos fora dos radares e já sob conhecimento de “todo” seu passado, David Webb, A.K.A (Also Known As) Jason Bourne (Matt Damon) ressurge para mais um filme. Após ser acusado novamente de estar envolvido em algo que nem sabia que estava acontecendo o protagonista é encontrado por Nicky (Julia Stiles) que entrega informações que ela roubou da CIA e o convence a buscar por mais respostas sobre sua vida. Em meio ao caos e protestos atenienses, os dois saem em disparada fugindo dos executores criados por um novo projeto da agência.

No caminho de descobrir a real verdade sobre o passado que acredita ser seu, Bourne continua sendo perseguido a mando do novo diretor Robert Dewey (Tommy Lee Jones) que intenciona defender seus próprios interesses. Contudo, ele passa a enfrentar problemas quando Heather Lee (Alicia Vikander) percebe que há algo errado e passa a contribuir com Jason para deter Dewey.

Pois bem, com o básico dito, vamos a alguns dados:
O elenco é uma constelação. Cheio de estrelas conhecidas, vencedores ou, pelo menos, indicados ao Oscar. Além dos já mencionados, Vincent Cassel (Cisne Negro, Treze Homens e um Novo Segredo), Riz Ahmed (O Abutre, Quatro Leões), Ato Essandoh (Django Livre, Diamante de Sangue) e Scott Shepherd (Ponte dos Espiões, Ithaca) e vários outros. A interação entre eles é boa mas existem personagens que parecem estar apenas para fazer volume (e nem são figurantes). Ah... o Tommy Lee Jones é quase um Johnny Depp [não consegue sair do mesmo papel]. Apesar da atuação OK dele, o personagem é bem chato e semelhante aos vilões dos outros filmes.

A direção de Paul Greengrass (A Supremacia Bourne e O Ultimato Bourne) é OK. Não é ruim, mas não consegui ver nada de muito diferente dos outros dois filmes da franquia dirigidos por ele. Além disso, tem algo que me irrita profundamente desde o segundo filme: as cenas de luta são confusas, a câmera não para num ponto, alternam demais e tremem muito. Aqui não é diferente. Há momentos em que não dá para entender quem bate e quem apanha.

Paul Greengrass e Christopher Rouse assinam o roteiro que preciso dizer que gostei. Apesar de alguns momentos de confusão, é capaz de sanar algumas dúvidas e amarrar pontas soltas deixadas nos filmes anteriores. Ah... e não se apegue aos personagens, pois, assim como em Game of Thrones, ninguém será poupado. (risos)

O contexto do filme é um ponto bacana e merece ser citado. Eles trouxeram Jason Bourne para 2016. A produção, além de tratar do herói, fala sobre conflito de interesses (pessoais e de Estado) e guerra cibernética. A importância de se ter o poder e controle das informações é constantemente relembrada. Edward Snowden e WikiLeaks, conspirações governamentais e espionagem são mencionados, ainda que forma indireta. Além disso, aproveitou-se os diversos conflitos e levantes populares recorrentes no Oriente Médio como pano de fundo... completamente bem casados com a trama.

Em resumo: Jason Bourne está mais velho e mais experiente embora a CIA o trate como um guerreiro recém enviado ao campo [é cada vacilo]; Tommy Lee Jones dá preguiça; o filme se arrasta mas desenvolve; há muita conveniência, do tipo, “meu Deus, como vou passar pela alfândega agora que o planeta está me procurando?” Daí alguém aparece, aperta um botão e todos os problemas são resolvidos; o protagonista é imortal e imune a lesões; as cenas de luta continuam confusas devido a mudança constante de câmeras para gravação mas... e é um MAS bem grande... assuntos iniciados nos outros filmes são resolvidos e o filme diverte em seus 132 minutos de duração; as atualidades contextualizam muito bem o momento e é incrível ver o gás que o Matt Damon ainda consegue dar ao personagem. Nem duvido se resolverem fazer uma nova trilogia. A dificuldade seria só achar quem, ou por qual motivo, o Bourne mataria agora.



Trailer



Ficha Técnica: Jason Bourne, 2016. Direção: Paul Greengrass. Roteiro: Christopher Rouse & Paul Greengrass. Elenco: Alexander Cooper, Alicia Vikander, Amy De Bhrún, Ato Essandoh, Attila G. Kerekes, Daniel Eghan, Dino Fazzani, Graham Curry, Jamie Hodge, Julia Stiles, Marla Aaron Wapner, Matt Damon, Neve Gachev, Paul Terry, Riz Ahmed, Scott Shepherd, Tommy Lee Jones, Vincent Cassel, Vivian Yoon Lee. Gênero: Ação. EUA. Distribuidora: Universal. Duração: 132 min

Nota: 3/5
Até a próxima.
;D

Escrito por Leandro Lisbôa

    Comentários Blogger
    Comentários Facebook

0 comments:

Postar um comentário

Pode falar. Nós retribuímos os comentários e respondemos qualquer dúvida. :)