Life - Um Retrato de James Dean


Sinopse: O filme narra a história por trás das tentativas do fotógrafo Dennis Stock (Pattinson) de fotografar a estrela em ascensão, James Dean (Dane Dehaan), para a revista Life. O resultado foi algumas das fotografias mais icônicas de Hollywoord, que mostram a vida de um homem talentoso e atormentado.
Ficha Técnica: Life, 2015. Direção: Anton Corbijn. Roteiro: Luke Davies. Elenco: Robert Pattinson, Dane Dehaan, Joel Edgerton, Peter Lucas, Lauren Gallagher, Alessandra Mastronardi, John Blackwood e Ben Kingsley. País: EUA Gênero: Briografia, Drama. Trilha Sonora Original: Owen Pallet. Figurino: Gersha Phillips. Fotografia: Charlote Bruus Christensen. Direção de Arte:  Cate Bangs e Kimberley Zaharko. Edição: Nick Fenton. Distribuição: Paris Filmes. Duração: 01h51min.
Trailer: 

 Life - Um Retrato de James Dean, ao invés de querer contar toda a história do ícone hollywoodiano, foca no momento em que ele foi fotografado para a revista Life. E este foi um grande acerto. A escolha de mostrar os bastidores das tão renomadas fotos de Dennis Stock deu uma aura mais intimista ao filme. "Jimmy", como ele se apresentava, tinha recentemente acabado as gravações de Vidas Amargas e aspirava um papel em Juventude Transviada.


 Robert Pattinson entrega um bom Dennis Stock, e mostra que ele também era um homem atormentado. Vemos o surgimento do fascínio do fotógrafo por James Dean, que ainda estava em ascensão. Ele acreditava que o ator seria o próximo ícone de Hollywood. Também sonhava com o reconhecimento que poderia ganhar com as fotografias para a renomada revista Life. Não gostava de fotografar estreias e tapetes vermelhos, mas às vezes era a solução que tinha para ter sustento. Ao mesmo tempo, era frustrado pela relação com o filho, resultado do relacionamento com a ex-eposa, que morava em outra cidade.


 Já Dane Dehaan parece ter estudado bastante os trejeitos de James Dean. Até o tom de voz e a velocidade de fala lembram muito o verdadeiro ator. Sem contar todo aquele ar característico de "rebelde sem causa", termo muito associado à Dean - inclusive pelo título original de Juventude Transviada, que é Rebel Without a Cause - que Dehaan também capricha. Ele passa bem o tormento que o ícone tinha e suas divergências com certos costumes de Hollywood.


 O caso entre James Dean e a atriz Pier Angeli (Alessandra Mastronardi) acontece no período em que o filme se passa, e rende uma boa química. Joel Edgerton como de costume entrega um bom trabalho, mas não tem muito destaque. Ele é John Morris, editor de fotografia da agência Magnum, e chefe de Dennis Stock. Ben Kingsley interpreta o poderoso Jack L. Warner, presidente da Warner Bros. Studios, e mostra como os estúdios querem controlar a vida das estrelas.


O longa-metragem apresenta uma linda fotografia, além de um figurino que representa bem o glamour dos anos 50. O fato de a trama não focar exclusivamente em James Dean, mas também em Dennis Stock e na relação dos dois, é de grande valor. O intimismo presente dá uma abordagem interessante à história, Apesar de ser um filme mais monótono (imagino que um recurso proposital) e com um ar melancólico, entrega tranquilamente o que foi proposto. Me conquistou!

P.S.: O Edward Robert Pattinson tá cada vez melhor!


HOJE, NOS CINEMAS!
Classificação: 14 anos.


Até a próxima!
Deborah

Escrito por Deborah Novais

    Comentários Blogger
    Comentários Facebook

1 comments:

Nathalia Ganesha disse...

Parece ser um bom filme :3

Postar um comentário

Pode falar. Nós retribuímos os comentários e respondemos qualquer dúvida. :)