Homem-Aranha: De Volta ao Lar


O amigo mais irônico e nerd da vizinhança nova-iorquina volta esta semana aos cinemas para uma jornada solo, depois de um bom tempo sem soltar as teias entre os arranhas-céus da big apple (fazem, na verdade, quinze anos que o primeiro filme sobre o super-herói foi lançado e, por coincidência, este ano, o aranha também comemora o seu 55º aniversário). 

Com direção de Jon Watts (A Viatura), Homem-Aranha: De Volta ao Lar marca ainda a repaginada que Spiderman ganhou, após  a Sony Pictures finalmente ''liberá-lo'' para participar da iniciativa Vingadores. Logo, novo elenco, novo diretor e novo tom, emplacam 'De Volta ao Lar' como um filme para fãs e para toda a família. Provavelmente, com um certo exagero de intervenções do mundo Marvel, entretanto, graciosamente divertido. 

A película é estrelada pelo ator britânico Tom Holland (O Impossível) e conta com Marisa Tomei, Michael Keaton, Robert Downey Jr., Zendaya, Jennifer Connelly, Donald Glover, Jacob Batalon, Laura Harrier,  Tony Revolori, Bokem Woodbine e Logan Marshall-Green.

A aventura entra em cartaz nesta quinta-feira (06).


Peter Parker (Holland) ainda não acredita que está trabalhando lado a lado com o time de Tony Stark (Downey Jr.). Aliás, ainda não está. Viveu apenas uma aventurinha em terras europeias. Todavia, o jovem insiste em deixar claro que fará de tudo para ajudar Stark e o resto dos Vingadores a manter a paz mundial. Enquanto isso, Peter vai levando a vida em pequenas missões no próprio bairro e defendendo a população dos criminosos da região. Também coloca em prática seu lado cidadão ajudando idosas e orientando os turistas perdidos. Na escola, o garoto sempre é motivado por seus professores a se dedicar mais, porém, seu novo ''estágio'' nas Indústrias Stark, ou melhor, o que ele fala para a tia (Tomei) que faz em seu tempo livre anda o desgastando bastante e Peter acaba tendo que largar o clube de matemática. A história fica ainda mais conturbada quando uma gangue de criminosos, liderada por Adrian Toomes/Abutre (Keaton), começa a aterrorizar a região e o Aranha decide enfrentá-los sozinho. Só que, obviamente, a tarefa exigirá muito mais que os seus poderes, cobrará responsabilidades.


O roteiro do projeto tem a mão de um batalhão, entre eles, Jonathan Goldstein, John Francis Daley, Christopher Ford, Chris Mckenna e Erik Sommers, além do próprio diretor, Jon Watts. A narrativa que escolhem é dinâmica, atual e faz jus ao personagem. Há uma preocupação em ambientá-lo ao mundo teen ao qual pertence ao mesmo tempo que deixá-lo seguir seu instinto de herói. O jovem Peter ganha características de um adolescente qualquer, imaturo, ansioso, inquieto, mas deveras altruísta e bem intencionado. O público conhece novos personagens na trupe escolar de Peter, ao invés de vermos novamente as carinhas clássicas de Harry Osborn, Mary Jane e Gwen Stacy.

Ned, vivido por Jacob Batalon, encarna o amigo que idolatra Peter (temos cenas muito repetitivas desse ato de amor) e é baseado em personagens que estão nos quadrinhos bem como o interesse amoroso do aranha, Liz, interpretada por Laura Harrier ou ainda uma mini versão da atriz Rosario Dawnson. Ainda somos introduzidos a Flash (Toni Revolori) e Michelle (Zendaya). Esta última que aparece sempre para questionar o nosso herói e dá a entender que terá grande importância na vida de Peter após revelar seu apelido.


A tia May da gatérrima Marisa Tomei vem com um tom mais leve entre todas as May's que já vimos. Sim, há espaço para o seu cuidado e preocupação com sobrinho, contudo, sem o melodrama exagerado comum dos outros filmes.

O pecado que o roteiro tem, sem sombras de dúvidas, é que o universo Marvel é muito reverenciado ali e interfere no mundo de Peter Parker demais. É preciso sim que haja conexão, pois ele estará também nos próximos filmes do famoso grupo de heróis, mas o aranha merecia mais mérito. Afinal, sabemos que ele não é um nerd qualquer. Assim, por mais que a proposta seja que Tony Stark esteja tãaaaaao presente como mentor, na verdade, ele vem de babá e isto irrita um pouco. Até porque além dele outro Avenger aparece por ali, porém consegue se encaixar com mais consistência no enredo.

Bom, mas e o vilão?  O vilão é na medida! O nosso Michael Birdman/Batman-agora Abutre- Keaton aparece logo nas cenas iniciais dizendo o que vai fazer no filme e faz bem. Inclusive, há uma cena de luta entre ele e o Aranha que remete bastante ao filme de 2004, dirigido por Sam Raimi. O personagem de Keaton reúne ainda uma equipe de bandidos que tem outro vilão, o Shocker, todavia, ele ganha funções menos importantes.

Nos quadrinhos a primeira aparição do personagem ''Abutre'' foi na segunda edição de ''O Espetacular Homem Aranha (1963).
Trailer


Com ''De Volta ao Lar'', vemos a jornada do aranha chegar ao seu terceiro projeto e ganhar sim um tom distinto dos anteriores. 


A trilogia iniciada pelo diretor Sam Raimi, em 2002, contava com a atuação de Tobey Maguire, no papel principal, e teve sucesso nas bilheterias, apesar do seu final desastroso. A propósito, há de se reconhecer que a visão de Raimi tem lá sua importância, pois é na sequência de 2004 que o personagem alcança um tom humano e Maguire encarnou Peter muito bem até ali e o filme é sim um dos mais conceituados sobre o herói.

Por outro lado, as produções conduzidas por Marc Webb e estreladas pelo ator Andrew Garfield, são bem desniveladas em acertos e, claramente, o primeiro longa desbanca o segundo em número, grau e quantidade de palmas.

Com Watts, continuamos no mundo adolescente, porém seu Homem-Aranha vem com a preocupação em crescer, pois ainda não tem o preparo suficiente para lutar grandes batalhas e a atuação de Holland casou bastante com a proposta. Ele vem juvenil, desbocado, fazendo vlogs e mais vlogs e com seu poder irônico, característica emblemática do Aranha - mas faltou colocar o sentido aranha em ação mais.


O mundo pop adiciona muito aqui. Em certa hora, há até referência a John Hughes com ''Curtindo A Vida Adoidado''. A trilha sonora insere um Ramones aqui e ali e o figurino usa e abusa do vestuário juvenil que vemos nos filmes teens. A fotografia segue as características divertidas da trama e abusa dos tons mais diversos.

 Os efeitos especiais são, claro, ainda melhores que os primeiros filmes do personagem e fica bonitão ver Spiderman-teen se jogar pelo Queens.
Ficha Técnica: Spiderman: Homecoming, 2017. Direção: Jon Watts. Roteiro: Jonathan Goldstein, John Francis Daley, Jon Watts, Christopher Ford, Chris Mckenna e Erik Sommers - baseado nos personagens criados por Stan Lee e Steve DitkoElenco: Tom Holland, Marisa Tomei, Jennifer Connelly, Michael Keaton, Donald Glover Jacob Batalon, Zendaya, Laura Harrier,  Tony Revolori, Bokem Woodbine e Logan Marshall-Green. Gênero: Comédia, Ação,Aventura. Nacionalidade: EUA. Trilha Sonora Original: Michael Giacchino. Fotografia: Salvatore Totino. Direção de arte: Brad Ricker. Efeitos especiais:Lindsay MacGowan. Figurino:  Louise Frogley. Edição: Debbie Berman e Dan Lebental. Distribuidora: Sony Pictures Brasil. Duração: 02h14min.
Tem cameo de Stan Lee, claro, e, sobre as cenas pós-créditos: Fica que vai ter bolo e sobremesa.

Não recomendado para menores de 12 anos


Avaliação:  Três puxadas de orelha da babá sabichona (3/5).



06 de Julho nos cinemas!

See Ya!

B-

Escrito por Bárbara Kruczyński

    Comentários Blogger
    Comentários Facebook

0 comments:

Postar um comentário

Pode falar. Nós retribuímos os comentários e respondemos qualquer dúvida. :)