Lady Macbeth


O produtor deste filme deveria ter escolhido outro nome para ele. Engana-se quem estiver esperando algo baseado na obra clássica de Shakespeare. Esta é uma adaptação de um conto russo de 1865 - Lady Macbeth of the Mtsensk District - (este sim inspirado em Shakespeare). Escrito por Nikolai Leskov, está mais para um manifesto pré feminismo pelos direitos das mulheres.

Em uma Inglaterra rural do século XIX uma jovem noiva, Katherine (Florence Pugh), é vendida para se casar com um homem de meia idade, Alexander (Paul Hilton), que não sente atração por ela. 
Não fica claro no longa os motivos da união. 

Trailer


Eles vivem com o pai de Alexander, um intolerável sogro (Christopher Fairbanks) que obriga Katherine a seguir regras rígidas de comportamento e a impede até de sair de casa. O patriarca a acusa de não cumprir seus deveres matrimoniais, mas, na verdade, é Alexander que não cumpre seu papel de marido. A situação vai ficando intolerável e isto é passado no filme pelas feições de Katherine e seu desinteresse pela vida.

Quando pai e filho precisam viajar a negócios, Katherine se vê sozinha com a empregada Anna (Naomi Ackie) e encontra neste momento a chance de sair e explorar o local onde mora. Assim, em uma situação nada comum, conhece Sebastian (Cosmo Jarvis) um empregado da fazenda e começam um tórrido romance e Katherine descobre sua liberdade.

Com a volta do sogro e, logo em seguida, do marido, a moça vê sua liberdade ameaçada e passa a cometer atos extremos  que envolvem todos a sua volta, saindo sempre como inocente ou vítima. Parece que ela aprendeu bem com o marido como ser fria e cruel e utilizar seu poder, traindo empregados inocentes.
 

A personagem de Katherine atrai simpatia e torcida, no inicio da trama, principalmente por parte daqueles que querem que ela se livre do marido que não a ama, contudo, sua construção de uma mulher fria que justifica seus atos "por amor" desconstrói qualquer apreço à ela.

O roteiro apresenta algumas falhas quando não deixa claro o motivo de Katherine ter sido vendida e de onde vem tanto ódio por parte do sogro e do marido, também não esclarece o aparecimento de uma empregada com um suposto filho ilegítimo de Alexander.

Ainda assim, a produção tem uma caracterização de época adequada e a fotografia é linda. Algumas cenas se tornam mais opressivas pela falta de trilha sonora, o que prende nossa atenção. A casa onde tudo acontece é tão fria e perfeitamente ambientada que lembra mais um filme de horror com uma lady psicopata.


FICHA TÉCNICA
Gênero: Drama
Direção: William Oldroyd
Roteiro: Alice Birch, Nikolai Leskov
Elenco: Alan Billingham, Andru Davis, Anton Palmer, Bill Fellows, Christopher Fairbank, Cliff Burnett, Cosmo Jarvis, David Kirkbride, Elliott Sinclair, Finn Burridge, Fleur Houdijk, Florence Pugh, Golda Rosheuvel, Ian Conningham, Jack Robertson, Joseph Teague, Kema Sikazwe, Naomi Ackie, Nicholas Lumley, Paul Hilton, Raymond Finn, Rebecca Manley
Produção: Fodhla Cronin O'Reilly
Vemos claramente a sociedade da época onde a mulher era considerada propriedade e como tal um ser inferior. Sem dar spoiler, observe a cena que o marido ordena que ela tire a roupa e "face the wall"( encare a parede, em tradução livre). É de uma brutalidade sem tamanho. Mas Katherine também vê os empregados  como inferiores. Ela os usa e não se importa com seus sentimentos. 

Lady Macbeth tem uma temática bem atual e apesar de "arrastado" prendeu minha atenção do começo ao fim que não poderia ser diferente.

Recomendo para quem gosta de filmes de época, como é o meu caso. 
 Adoro!!! ❤

Assista e bom filme! 😉

17 de agosto nos cinemas!


Helen Nice
@n.dacoruja

Escrito por staff

    Comentários Blogger
    Comentários Facebook

0 comments:

Postar um comentário

Pode falar. Nós retribuímos os comentários e respondemos qualquer dúvida. :)